Enem mais acessível: medidas tornam prova mais inclusiva

A cada ano, o Inep investe em novas iniciativas para garantir condições a todos os participantes de fazer a prova.


A cada ano, o Inep investe em novas iniciativas para garantir condições a todos os participantes de fazer a prova.

 

Foto: Divulgação

 

A espera está perto do fim. Neste mês de janeiro cerca de 6 milhões de estudantes farão a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Desse número, 52.598 inscritos solicitaram algum tipo de atendimento especializado. A cada ano, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) investe em novas modalidades de testes adaptados para garantir condições para todos os que desejam se inscrever.

 

É o caso de Philippe de Freitas, de 20 anos. Ele tem deficiência intelectual e é a segunda vez que o estudante fará a prova do Enem. Ele conta que, na primeira vez, conseguiu fazer quase tudo sozinho, mas precisou de ajuda para preencher o gabarito. “Todas as provas que eu faço, faço com foco e determinação”, explicou o estudante, que pretende se formar em Educação Física.

 

Com a ajuda especializada oferecida pelo Enem, ele pode fazer a prova em condições mais favoráveis e contar com auxílio para interpretar o gabarito. Além de sala diferente dos demais participantes.

 

E essa acessibilidade dá mais confiança para os estudantes e também para os familiares deles. José Fernando de Freitas, o pai do Philippe, por exemplo, tem certeza que, desta vez, o filho garantirá a tão sonhada vaga na universidade.

 

Mais recursos
O aumento nos recursos de acessibilidade busca democratizar a prova. Mas o conteúdo permanece o mesmo. A coordenadora-geral de Desenvolvimento da Aplicação do Inep, Andréia Gonçalves, explicou que todos os anos o Governo busca garantir mais acessibilidade aos estudantes que fazem as provas.

 

“Se comparar o Enem de 2012 com o Enem 2020, a quantidade e a qualidade de oferta de recursos de acessibilidade avançaram muito. Recebo muitos pedidos de universidades para conversar sobre o edital e a oferta de recursos. O Enem é um dos vestibulares que oferecem mais acessibilidade”, afirmou.

 

Acessibilidade
A coordenadora do Inep contou que, a cada ano, o Governo busca novas iniciativas para promover a inclusão. O atendimento especializado deve ser solicitado na inscrição e é voltado para pessoas com deficiência auditiva, surdez, cegueira, baixa visão, deficiência física, pessoas com surdocegueira, discalculia, autismo, visão monocular, deficiência intelectual (mental), dislexia e déficit de atenção.

 

Gestantes, lactantes (mulheres que estão amamentando), idosos e pessoas em classe hospitalar também podem solicitar atendimento especializado para adaptações no tempo de prova e local de aplicação do exame.

 

“Este ano, entre as mudanças que teve, a disponibilização de um novo recurso, que é leitor de tela. Portanto, cegueira, baixa visão, visão monocular ou surdocegueira puderam optar por leitor de tela”, destacou Andréia.

 

Também são oferecidas condições diferentes das de uma sala de aula regular, além de provas em braile e auxílio para leitura e transcrição e tradutor-intérprete em Língua Brasileira de Sinais (Libras). O suporte faz parte da Política de Acessibilidade e Inclusão do Inep.

 

O Enem conta ainda com a Plataforma Videoprova em Libras. Esse método permite que estudantes surdos e deficientes auditivos estudem para a prova numa interface parecida com a qual eles encontrarão no dia do exame. Além disso, todo o material do Enem, desde os editais, passando por cartilhas até a prova, são produzidos também em Braile.

 

Outros serviços de acessibilidade

 

  • Auxílio ledor: serviço especializado de leitura da prova para pessoas com deficiência visual, deficiência intelectual, autismo, déficit de atenção ou dislexia;
  • Auxílio para transcrição: serviço especializado de preenchimento das provas objetivas e discursivas para participantes impossibilitados de escrever ou de preencher o Cartão de Resposta;
  • Guia-intérprete: profissional especializado em formas de comunicação, técnicas de guia, tradução, mediar interação entre pessoas com surdocegueira;
  • Mobiliário acessível: São disponibilizadas mesas e cadeiras sem braços, mesas para cadeira de rodas e apoios para perna;
  • Sala de fácil acesso: local de prova com acessibilidade a pessoas com mobilidade reduzida;
  • Sala para amamentação: locais reservados para a acomodação de crianças em fase de amamentação; e
  • Sala especial: sala destinada a acolher participantes em condições que recomendem a separação dos demais, como em caso de doenças infectocontagiosas;

 

Novidades de 2020 em acessibilidade:

 

  •  Participantes com cegueira, surdocegueira, baixa visão ou visão monocular poderão solicitar recurso para uso de leitor de tela;
  • Três guias-intérpretes farão atendimento ao participante surdocego;
  • Tempo adicional de 60 minutos para participantes lactantes que solicitarem atendimento especializado no sistema de inscrição, desde que comprovem a necessidade, conforme previsto em dital, e levem o lactente e o acompanhante no dia da aplicação;
  • Participantes autistas e surdocegos terão banca especial para correção das provas;
  • O participante que escrever a redação em braile terá as provas corrigidas no Sistema Braile.

 

Atendimento especializado:

 

  • Autismo: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição;
  • Baixa visão: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição, prova ampliada ou superampliada, sala de fácil acesso, leitor de tela;
  • Cegueira: tempo adicional, prova em braile, auxílio para leitura, sala de fácil acesso, leitor de tela;
  • Déficit de atenção: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição;
  • Deficiência física: tempo adicional, auxílio para transcrição, sala de fácil acesso, mesa para cadeira de rodas, apoio para perna e pés, auxílio para leitura;
  • Deficiência intelectual: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição, sala de fácil acesso;
  • Deficiência auditiva: tempo adicional, tradutor-intérprete de Libras, videoprova em Libras, leitura labial;
  • Discalculia: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição;
  • Dislexia: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição;
  • Gestante: sala de fácil acesso, mesa e cadeira sem braços, apoio para pernas e pés;
  • Idoso: sala de fácil acesso;
  • Lactante: sala de fácil acesso, mesa e cadeira sem braços, apoio para pernas e pés. É obrigatório levar um responsável para cuidar da criança;
  • Surdez: tempo adicional, tradutor-intérprete de Libras, videoprova em Libras, leitura labial;
  • Surdocegueira: tempo adicional, guia-intérprete, auxílio para transcrição, sala de fácil acesso, prova em braile ou prova ampliada ou superampliada, leitor de tela; e
  • Visão monocular: tempo adicional, auxílio para leitura, auxílio para transcrição, prova em braile ou prova ampliada ou superampliada, sala de fácil acesso, leitor de tela.

 

Enem 2020
As provas do Enem 2020 ocorrerão nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021, na versão impressa e, em 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021, na versão digital. As duas versões somam 5.783.357 inscritos no exame.